News Ticker

Menu
Previous
Next

Latest Post

Entertainment

Business

Technology

Lifestyle

Sports

Total de visualizações de página

Recent Posts

Tudo sobre o SiSU. Confira:

quinta-feira, 29 de maio de 2014 / No Comments
Muitos estudantes têm dificuldades ao utilizar o Sistema de Seleção Unificada (SiSU) para escolher o curso e a instituição da qual querem fazer parte. Pensando nisso, o Vestibular Brasil Escola preparou um resumo com instruções passo a passo de como concorrer com sucesso à vaga que você deseja.

Instruções baseadas no SiSU do 1º semestre de 2014

1 - O aluno terá que acessar o site do SiSU com o login e senha fornecidos no momento da inscrição do Enem 2013. O sistema estará disponível entre meia noite do dia 6 de janeiro e 23h59 do dia 10 de janeiro.

2 - Ao acessar o SiSU, será aberta uma página para confirmação de dados. Verifique as informações e, caso note algum dado incorreto, altere-o e depois confirme os dados. Certifique-se que o e-mail informado é valido.
3 - Em seguida, pesquise seu curso por cidade e instituição de ensino. No sistema é possível também conferir a quantidade de vagas para ampla concorrência e sistema de cotas.
4 - Escolha dois cursos que pretende concorrer, separando a sua 1ª opção.
5 - Exceto no primeiro dia de inscrições, durante a madrugada o sistema fará o cálculo e divulgará asnotas de corte e a classificação parcial de cada um dos cursos registrados, sempre a partir das 2h da manhã.
6 - Após esse horário, verifique se está abaixo ou acima do ponto de corte nos cursos que se inscreveu. Com essa informação você pode decidir se continua nesta opção de curso ou troca por outra. O ponto de corte varia a cada dia, de acordo com os candidatos que estão competindo às vagas. Pode acontecer de em um dia você estar acima do ponto de corte, mas em outro estar abaixo. Por isso, é aconselhável verificar sua posição todos os dias.
As notas de corte são calculadas de acordo com o peso adotado por cada universidade. Por exemplo, a prova de português do Enem pode valer mais para a carreira de Jornalismo e menos para a de Ciência da Computação. Os pesos também são diferentes para os concorrentes pelo sistema de cotas.

7 - Às 23h59 do dia 10 de janeiro sistema é fechado definitivamente. A primeira lista de aprovados sai no dia 13 de janeiro, com matrícula entre os dias 17 e 21 de janeiro.
ATENÇÃO: o candidato aprovado em 1ª chamada no curso de 1ª opção será automaticamente excluído da lista do SiSU, mesmo não fazendo a matrícula. Portanto, se inscrevam apenas nos cursos que realmente desejam se matricular.

8 - A 2º convocação acontece em 27 de janeiro, com matrícula entre os dias 31 de janeiro e 04 de fevereiro.

9 - Os candidatos não aprovados em nenhuma das chamadas podem participar da lista de espera. O cadastro acontece entre 27 de janeiro e 07 de fevereiro. As chamadas baseadas na lista de espera são de responsabilidade de cada uma das instituições participantes do SiSU, que poderão divulgar quantas chamadas quiser a partir de 11 de fevereiro.

Observações:
- Em caso de empate nas notas, ficará mais bem posicionado o estudante que tiver tirado a nota mais alta na redação do Enem.
- Para concorrer à segunda chamada não é preciso se cadastrar novamente.

Site do SiSU: http://sisu.mec.gov.br/

Fonte: Brasil Escola/Vestibular 

Clique aqui para conferir as respostas

sexta-feira, 21 de março de 2014 / No Comments
1- Quando a China adotou uma economia de mercado?

a) Na década de 1940.
b) Na década de 1990.
c) Apenas nos anos 1980 do século XX.
2- Com a abertura econômica da China, muitas multinacionais resolveram instalar filiais naquele país. Por quê?

a) Pelos baixos custos de produção, mão de obra abundante e mercado consumidor amplo.
b) Pelo governo reconhecidamente corrupto, o que garante para as empresas uma série de facilidades.
c) Pelo alto nível educacional da população, o que garante mão de obra altamente especializada.
3- Entre os problemas que a China precisa resolver nos próximos anos está:

a) A necessidade de ampliação do parque tecnológico, para atender à demanda mundial.
b) A criação de políticas que garantam a manutenção do crescimento econômico nos níveis atuais.
c) O imenso abismo social que separa uma classe média emergente, mas minoritária, de uma imensa maioria que se encontra na miséria.
4- Que fato marcou a integração definitiva da China no mundo globalizado?

a) A assinatura de tratados bilaterais com os EUA e com países da Europa Ocidental, em 1997.
b) A entrada do país à Organização Mundial do Comércio em 2001.
c) As duas alternativas anteriores estão corretas.
5- Podemos dizer sobre as relações entre a China e o Brasil:

a) Até hoje o governo brasileiro não aceitou totalmente a presença chinesa no mercado internacional.
b) A China é grande exportadora de produtos básicos para o Brasil. Este, por sua vez, exporta bens de consumo para o mercado chinês.
c) A China é grande exportadora de bens de consumo para o Brasil. Este, por sua vez, exporta produtos básicos para o mercado chinês.
 

Dossiê - China

/ No Comments
Em pouco mais de duas décadas, a China deixou de ser um país considerado comunista e economicamente fechado, para se transformar em um gigante exportador. Nenhuma grande economia ao longo do último século cresceu com o ritmo visto na China. Dono da segunda maior economia do planeta, o país só fica atrás dos EUA. Agora, o mundo se pergunta: até onde isso irá?
Crescimento acelerado




A economia chinesa é, atualmente, a 18° economia que mais cresce no mundo (CIA The World Factbook, 2013). Com uma média de crescimento de quase 7,8% em 2012, a China obteve neste ano um PIB que chegou à casa dos 12,380 trilhões. Isso colocou o país na posição de segunda maior economia do mundo, superando, inclusive, o Japão. Esses números ganham ainda mais relevância quando consideramos que a entrada da China na economia de mercado ocorreu apenas ao final da década de 1970.




Saiba mais
- A agricultura é um importante setor produtivo e faz da China um dos gigantes mundiais na produção de alimentos. Dados de 2005, por exemplo, colocavam o país como o maior produtor mundial de arroz e um dos maiores produtores de milho. A grande produtividade de sua agricultura é resultado da acelerada mecanização da produção;

- Apesar de grande gerador de alimentos, em 2012 a agropecuária respondia por apenas 10,1% do PIB nacional. Já a indústria e o setor de serviços correspondiam, respectivamente, a 45,3% e 44,6% do PIB. Apesar da grande geração de alimentos, tem que ser levado em conta que seu mercado consumidor interno também é grandioso;

- As reformas empreendidas na China nos últimos 30 anos também envolvem a educação. Os gastos do governo com esse setor alcançaram um ritmo de crescimento equivalente aos níveis de crescimento do PIB. Isso se deu principalmente no que se refere à educação técnica. Apesar disso, a China precisa continuar investindo cada vez mais se quiser alcançar o que é recomendando pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). A China investiu nos últimos anos cerca de 3,4% de seu PIB em educação, quando a recomendação da Unesco é que se invista quase o dobro disso;

- Desde a década de 1990, a China investe intensamente em infraestrutura, com a construção de rodovias, ferrovias, aeroportos e prédios públicos. Em 2009, concluiu-se a construção da hidrelétrica de Três Gargantas, que possui a maior represa e barragem do mundo e só perde em geração de energia para a Usina de Itaipu.

- Há também grandes investimentos nas áreas de mineração, principalmente de minério de ferro, carvão mineral e petróleo;

- A China é hoje um dos maiores importadores mundiais de matéria-prima, principalmente petróleo.


Apesar de inserir-se na economia globalizada, a China ainda apresenta resquícios da época em que esteve sob a mão de ferro de Mao Tse Tung. O governo controla não apenas as regras trabalhistas, como também os baixos salários, garantindo para as empresas um custo reduzido com mão de obra e tornando os produtos chineses os mais baratos do mundo. Esse fator explica, em parte, os altos índices de exportação desse país. Com a abertura econômica, muitas multinacionais abriram filiais no país buscando exatamente os baixos custos de produção, a mão de obra abundante e mercado consumidor amplo.

chungking/Shutterstock
Xangai à noite
  

Nesse período pós-comunismo, o PIB da China aumentou cinco vezes e as exportações saltaram de 20 bilhões para mais de 300 bilhões de dólares (2002). O país também é o campeão no recebimento de investimentos externos. Em 2003, conseguiu desbancar os EUA no ranking mundial de países que mais recebem investimentos diretos do exterior. Um dos setores mais prestigiados é o automobilístico.

O outro lado da moeda

BartlomiejMagierowski / Shutterstock
Trabalhadores em uma fábrica em Shenzhen
  

Entre tanto sucesso econômico, os chineses enfrentam um problema sério e, até agora, sem solução: a desigualdade social.

Grande parte da população ainda vive em situação de extrema pobreza. No campo, onde vivem cerca de 900 milhões de chineses, a renda per capita em algumas regiões é compatível com as piores de países em desenvolvimento e cerca de 150 milhões de chineses vivem abaixo do que a ONU (Organização das Nações Unidas) definiu como linha da pobreza. Com uma população que em 2010 chegou à casa de 1,3 bilhões de habitantes, a China ocupa a 122ª posição mundial em renda per capita, que é de 9.100 dólares no país.

Entre os desafios do governo chinês na primeira década do século XXI estão reduzir a elavada taxa de poupança e a consequente baixa demanda interna; sustentar, adequadamente, o crescimento no emprego para milhões de migrantes e novos trabalhadores; reduzir a corrupção; conter os impactos ambientais negativos; conter conflitos sociais resultantes da mudança econômica do país.

Outro ponto que deve ser observado quando falamos do acelerado crescimento econômico do país diz respeito às questões ambientais. O país enfrenta questões ambientais relacionadas à poluição atmosférica (emissão de gases de efeito estufa e partículas de dióxido de enxofre) pelo uso de carvão para geração de energia, que gera chuvas ácidas; enfrenta escassez de água, principalmente no norte do país; poluição de cursos e corpos d’água devido a deposição inadequada de resíduos; desmatamento; perda estimada de 1/5 das terras agricultáveis, desde 1949, devido a erosão do solo e desenvolvimento econômico; desertificação; e tráfico de espécies ameaçadas.

beboy / Shutterstock
Agricultor em plantação de arroz
A abertura econômica

Neftali/Shutterstock
Deng Xiaoping
  

A China começou a se preparar para a abertura econômica em 1978, quando Deng Xiaoping, então presidente da Comissão Militar Central do Partido, decidiu mudar a política econômica do país.

Deng instituiu várias reformas: abolição das comunas agrícolas instituídas por Mao Tse Tung, o que permitiu aos camponeses cultivar em lotes familiares; permissão para população urbana iniciar pequenos negócios; liberação de compra de bens de consumo; busca por investidores internacionais e abertura de mercado; renovação das escolas chinesas; e promoção de intercâmbios universitários para outros países.

A “rendição” da China ao mundo globalizado aconteceu de forma definitiva em 2001, com a entrada do país na Organização Mundial do Comércio (OMC). O mercado potencial de mais de um bilhão de consumidores fazia do gigante oriental uma tentação nem sempre fácil de conquistar – mas várias empresas aceitaram o desafio.

A mão de obra barata sempre foi o grande chamariz para a entrada de capital externo. Em alguns setores da economia chinesa, o salário na linha de montagem é de menos de dois reais a hora. No Brasil, esse valor é quatro vezes maior. No México, seis vezes. Nessas condições, montar bases para exportar é um ótimo negócio. Não é à toa que a China já responde por metade da produção mundial de máquinas fotográficas. Três em cada dez aparelhos de ar condicionado e de TV produzidos são feitos lá. Mais de 25% das máquinas de lavar e 20% das geladeiras no mundo levam o selo "Made in China".

Imenso mercado consumidor

pcruciatti / Shutterstock
Supermercado em Chongqing
  

Além de exportadora, a China também representa um mercado consumidor imenso. A classe média chinesa representa atualmente cerca de 5% da população. São 65 milhões de pessoas que ganharam poder de compra nos últimos quinze anos: igualam-se hoje ao mercado norte-americano, com a diferença de que este último levou mais de um século para ser criado.

A China apresenta uma vantagem sobre os mercados maduros do Ocidente: sua classe média chinesa urbana continua crescendo com vigor. Ano após ano, milhões de consumidores surgem ansiosos por comprar um automóvel ou viajar de avião.

Relações com o Brasil


rolfik / Shutterstock
China e Brasil
   

A China é um dos mais importantes parceiros comerciais do Brasil. E a intenção do governo federal brasileiro é que essa relação se aprofunde cada vez mais. Tanto que, já em 2004, durante visita de Hu Jintao, então presidente da China, ao Brasil, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou o reconhecimento do status de economia de mercado da nação parceira. A mesma medida foi tomada pela Argentina uma semana depois.

O anúncio trouxe ganhos para o setor rural, porque ampliou a parceria de mercado entre Brasil e China, mas provocou forte reação do setor produtivo industrial brasileiro, temeroso da competição agressiva de produtos chineses no país. Atualmente, o Brasil exporta para China produtos básicos, como minério de ferro, soja, café em grão, petróleo bruto, fumo, algodão e celulose. Já a China exporta para o Brasil produtos com maior valor agregado, como bens intermediários e de consumo.

Em 2009, a China ultrapassou os EUA e passou a ser o principal destino dos produtos brasileiros. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) do Brasil, se em 2008 o Brasil registrou 16,4 bilhões de dólares de exportações para a China, em 2009 esse número chegou a 19,9 bilhões. 

Glossário


Comunismo - Modo de produção no qual os meios de produção e os aspectos da vida social são controlados pelo proletariado e membros da comunidade. Assim, a população se organizaria de forma a atender, efetivamente, as necessidades humanas por meio de cooperação e compartilhamento. Os principais aspectos do comunismo são a ausência de propriedade econômica privada, classes sociais, desigualdades sociais e instituições de opressão.
Globalização – Tendência de homogeneização de usos e costumes. Seu principal instrumento de expansão são os meios de comunicação com potencial de inibir reações e críticas individuais ao contexto global imposto.
PIB – Produto Interno Bruto. É o valor da produção de bens e serviços de um país durante o ano. O valor do PIB pode ser calculado pela soma da quantidade de dinheiro despendida na produção anual de bens e serviços, ou pela soma da renda de todos os cidadãos do país, incluindo a renda obtida no estrangeiro.
Renda per capita – A renda per capita representa quanto cada habitante receberia se o valor do produto nacional bruto (PNB) de um país fosse distribuído igualmente entre todos sem considerar a concentração de riquezas. A renda per capita, obtida a partir da divisão da renda total de um país pela população, é um indicador usado para medir o grau de desenvolvimento de uma nação.



Faça os exercícios referente a aula:

1- Quando a China adotou uma economia de mercado?

a) Na década de 1940.
b) Na década de 1990.
c) Apenas nos anos 1980 do século XX.
2- Com a abertura econômica da China, muitas multinacionais resolveram instalar filiais naquele país. Por quê?

a) Pelos baixos custos de produção, mão de obra abundante e mercado consumidor amplo. (x)
b) Pelo governo reconhecidamente corrupto, o que garante para as empresas uma série de facilidades.
c) Pelo alto nível educacional da população, o que garante mão de obra altamente especializada.
3- Entre os problemas que a China precisa resolver nos próximos anos está:

a) A necessidade de ampliação do parque tecnológico, para atender à demanda mundial.
b) A criação de políticas que garantam a manutenção do crescimento econômico nos níveis atuais.
c) O imenso abismo social que separa uma classe média emergente, mas minoritária, de uma imensa maioria que se encontra na miséria.
4- Que fato marcou a integração definitiva da China no mundo globalizado?

a) A assinatura de tratados bilaterais com os EUA e com países da Europa Ocidental, em 1997.
b) A entrada do país à Organização Mundial do Comércio em 2001.
c) As duas alternativas anteriores estão corretas.
5- Podemos dizer sobre as relações entre a China e o Brasil:

a) Até hoje o governo brasileiro não aceitou totalmente a presença chinesa no mercado internacional.
b) A China é grande exportadora de produtos básicos para o Brasil. Este, por sua vez, exporta bens de consumo para o mercado chinês.
c) A China é grande exportadora de bens de consumo para o Brasil. Este, por sua vez, exporta produtos básicos para o mercado chinês.
Clique aqui para conferir as respostas



Fonte: COC Educação 


Potência de dez e Notação científica

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014 / No Comments

Potência de dez e Notação científica

Aqui no Efeito Joule você já deve ter visto vários exercícios e exemplos, principalmente na eletricidade, onde utilizamos números expressos em potência de dez e notação científica. Neste texto veremos o que é a potência de dez e a notação científica, como esta notação matemática pode nos ajudar na resolução de problemas de Física. Pode ser que você ache este texto simples demais, mas muitos alunos e freqüentadores deste blog têm dúvidas sobre potência de dez e notação científica, por isso vamos lá!

Em muitos exercícios você vai se deparar com o “problema” de representar uma distância muito grande em uma unidade na adequada, por exemplo: representar a distância da Terra e a Lua em centímetros. Bem, colocar todos os algarismos desta distância em centímetros te daria um bom trabalho para não errar na quantidade de zeros.

Mas existe um jeito muito mais fácil, é só utilizar a notação científica. A notação científicaconsiste em representar os números seguidos de uma potência de dez.

potência de dez é utilizada para abreviar múltiplos (ou submúltiplos) de dez. Assim:

100 = 10 x 10;
1000 = 10 x 10 x 10;
100000 = 10 x 10 x 10 x 10 x 10.

Para escrevermos estes números de uma maneira abreviada, basta indicar o número de dezenas envolvidas na multiplicação com um pequeno número (expoente) no alto da potencia de 10.

Logo, se 100 = 10 x 10, podemos dizer que 100 = 102. Da mesma maneira 1000 = 103, e 100000 = 105.

Nestes exemplos o expoente é igual ao número de zeros.

Para os submúltiplos de dez, também utilizamos o sistema exponencial. Assim:

0,01 = 1/10 x 1/10 ;
0,001 = 1/10 x 1/10 x 1/10
0,00001 = 1/10 x 1/10 x 1/10 x 1/10 x 1/10

Neste caso, para abreviar esses números indicamos o número de casas decimais com expoente negativo no alto da potencia de 10.


Assim, se 0,01 = 1/10 x 1/10, podemos dizer que 0,01 = 10-2 . Da mesma maneira, 0,001 = 10-3 e 0,00001 = 10-5.


Para escrever um número em notação científica devemos obedecer ao seguinte formato: A x 10Bonde A deve ser um número que esteja entre 1 e 9 , ou seja, deve ser maior ou igual a 1 e menor que 10 e B o número de zeros (ou casas decimais se o expoente for negativo) do número.

Vamos ver alguns exemplos:

40 é igual a 4 vezes 101, então em notação científica representa-se 40 = 4 x 101.

15000 é igual a 15 vezes 1000, ou 1,5 vezes 10000. Como 10000 que é igual 104, então em notação científica representa-se 15000 = 1,5 x 104.

0,2 corresponde a 2 dividido por 10, ou 2 multiplicado por 0,1 que corresponde a 1/10. Como 1/10 pode ser representado por 10-1, então em notação científica representa-se 0,2 = 2 x 10-1.

Notamos então que fica muito mais fácil de representar números muito grandes ou muito pequenos utilizando a notação científica e a potencia de dez.

Abaixo temos mais alguns números expressos em notação científica:

1 000 000 = 10 x 10 x 10 x 10 x 10 x 10 = 106 mega
100 000 = 10 x 10 x 10 x 10 x 10 = 105
10 000 = 10 x 10 x 10 x 10 = 104
1 000 = 10 x 10 x 10 = 103 quilo
100 = 10 x 10 = 102
10 = 10 = 101
1 = 1 = 100
0,1 = 1/10 = 10-1
0,01 = 1/100 = 10-2 centi
0,001 = 1/1000 = 10-3 mili
0,0001 = 1/10 000 = 10-4
0,00001 = 1/100 000 = 10-5
0,000001 = 1/1 000 000 = 10-6 micro

fonte: efeitojoule.com

Aula 2. Semântica

terça-feira, 14 de janeiro de 2014 / 1 Comment

1.0 Conceitos básicos: 
Semântica é o estudo do significado das unidades linguísticas, dos vocábulos, quanto às transformações que sofreram ao longo do  tempo - semântica diacrônica - ou quanto a seu estágio atual de significação - semântica sincrônica. 

A língua é um organismo vivo, em constante mutação, e os vocábulos, além de guardarem seu significado etimológico (a origem da palavra), de origem, adquirem, pelo uso que se faz deles, significações variadas. 

2.0 Denotação e conotação. 

Com efeito, ao ler "Estávamos no coração da floresta amazônica", não seremos remetidos ao significado primeiro da palavra coração - "órgão muscular dos vertebrados". 

Da mesma forma, quem diz que "o passeio foi legal" não está lembrando que legal é, originalmente, "o que está em conformidade com a lei". 



















O sentido conotativo de um vocabulário é o que ele adquire ao se lhe agregarem, pelo contexto valores significativos para além de sua acepção primeira.

3.0 Aspectos Semânticos: 

Ao observarmos os vocábulos, notaremos que, entre dois ou mais deles, por vezes, é estabelecida ou alguma forma de identidade ou uma relação de oposição semântica ou de semelhança gráfica e fônica. 

3.1 os Homônimos mantêm a mesma identidade gráfica e/ou fônica e podem ser:
  • Homógrafos (mesma grafia): Eu apenas jogo o jogo
  • Homófonos (mesmo som): Todo dia eu passo pelo paço municipal.  
  • Homônimos perfeitos (homógrafos homófonos): Se você chegar cedo, eu lhe cedo meu lugar. 
3.2 Os sinônimos mantém identidade semântica total ou quase total. É consensual que a sinonímia perfeita é ocorrência vastante rara. apto/capaz - ébrio/bêbado - sofrer/padecer- axila/sovaco. 

3.3 OS antônimos mantêm entre si relação de oposição semântica: lembrar/esquecer - cedo/tarde - anão/gigante - contente/descontente - feliz/infeliz - explícito/implícito - progressão/regressão. 

3.4 Os parônimos guardam entre si alguma semelhança gráfica e fônica, mas têm significados diferentes: 

ratificar (confirmar) / retificar (corrigir) - iminente (para acontecer) / eminente (ilustre) 

3.5 Chamamos de polissemia ao fato de um mesmo vocábulo ter mais de uma significação. 
Exemplo: expressivo é o vocábulo linha

linha de costura - linha de pescar - linha de transmissão - linha de chegada - linha de produtos - as linhas de ônibus - linhas de pensamento - linhas de mão etc.

Importante: polissemia e homonímia estão em oposição. Homônimos perfeitos estão em oposição. Homônimos perfeitos são dois vocábulos diferentes, de origem e etimologia distintas. É o caso de cedo. Embora coincidentes no som e na grafia, o advérbio tem uma raiz latina (cito) e o verbo tem outra (cedere). Já a palavra linha, apesar das varias acepções, tem uma única raiz latina (linea). 






3.6 Alguns substantivos notáveis

        Cabeça - feminino: parte do corpo; pessoa inteligente. extremidade dilatada. 
                       masculino: líder, chefe, dirigente. 

        Capital -  feminino sede do poder executivo de país ou região. 
                       -  masculino: patrimônio, bens. 

3.7 Alguns homônimos e parônimos:
      
     Absolver - perdoar
     absorver - aspirar 

     acedente  - que acede
     acidente - acontecimento casual 
     ascedente - que antecende  

3.8 Homônimos e parônimos notáveis: 
    
    a fim - a fim de - fizemos de tudo a fim de (para) você saber. 
              - a fim de que - fizemos de tudo a fim de que (para que) você soubesse. 


Gostou desta aula, teve alguma dúvida? Não entendeu o conteúdo? Deixe seu comentário em breve nossa equipe ira responder. 

Fonte: Todo o conteúdo aqui postado foi retirado do material COC Gramatica I. 

    
      
                 
   


Dicas de estudo com professor V

/ No Comments

Olá, sou o professor V. Uma das melhores formas de se estudar para o vestibular é refazer as provas anteriores, por isso hoje preparei uma lista com as provas anteriores da Fuvest e ITA. Bons estudos, não deixem de comentar. 


 Fuvest

Clique acima da instituição desejada para acessar a lista de provas anteriores. 


Fonte: Fuvest; ITA. 



Provas & Gabaritos FUVEST 2013

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013 / No Comments